Categories
Social Media

A few words about Twitter

This text is still a draft.

The social dynamics that take place on Twitter make it a key platform for the dissemination of information. Not for the reach or even the conversations, but for the simple fact that key people are there. Twitter is not the platform with the largest number of users, nor does it have the most traffic, but what happens to Larissa reverberates a lot.

In its current configuration, the platform serves as the perfect space for the manipulation of speech from the movement of robots to boost specific hashtags that end up guiding the mass media. Hence, the subject falls into people’s conversations and for those interested, it is enough to reap the results.

Last week I participated in the Panorama program, on TV ALMG, where we talked about the acquisition of Twitter by Elon Musk and the possible paths of the platform.

One thing that I think might be cool and that is on Elon Musk’s list of proposals for Twitter is the individual validation of users. The initiative is controversial because, depending on how its implementation is carried out, it can put people in a situation of persecution by authoritarian governments. But there are ways to operationalise this without having this potentially harmful externality. Anyway, I understand that one-on-one validation can be cool because it has the potential to wipe out fake accounts and bots. This will be of great help in the process of combating the dissemination of disinformation actions.

November update: The current proposal of “pay to be (and remain) validated” is, in my perspective, an error. Everyone that wish to be verified should be verified for free on the platform. This would elevate the civility and politeness on the platform, since people could be held responsible for what they publish. Attaching this to a monthly payment is wrong, in my opinion because a large amount of people just can’t afford monthly payments. I believe a subscription-based platform is viable, though. Current speculations are that people who subscribe would pay around 8 US dollars monthly. This can be really expensive in a lot of countries. I believe people who subscribe should have an ad-free experience, organic reach of 100% and pay less than 5 US dollars a month. This would probably scale better than what is being ventilated by Musk. Note that it is key not to attach user verification / validation to the subscriptions. This should be free.

As Twitter currently operates based on the sale of advertising, the existence of fake accounts and robots helps the company by inflating the number of users and composing graphics that the platform uses to sell ads in our feeds. Another thing that happens is that, when anchoring its revenue in the sale of advertising space, Twitter has to algorithmically manipulate the feed in a way that brands have to pay to make their posts reach the audiences of interest.

This is my biggest annoyance with the platform in the current setup. The organic reach of posts is always a fraction of their potential. Let’s say… if a profile has 100 followers on the platform and posts a message, only a part according to research I did a few years ago, the average was 37% of your followers will see the post in their feeds. I find this quite counterproductive in terms of system and usefulness for people. However, this is a format that pleases the platform well, as it generates demand for profiles that commercially explore their presence there and end up paying for boosting.

To get an idea of ​​this challenge related to the reach of messages on Twitter, let’s look at a practical case. I posted the video of my participation in the TV show on different platforms. Below, a brief report of these posts and what you can have about their reach.

Although my quick effort here did not account for the number of views that the post had on Instagram and Facebook (these platforms do not provide this data directly in their applications) it is possible to see from the number of reactions (likes / likes) that the reach was greater. than what I had on Twitter.

In other words: for a message to reach a large number of people on Twitter, it is necessary that key people see this post and decide to reverberate it (like, comment or share). We return to the issue of social networking, which is the need to be well connected on the platform. It is not enough to have a large number of followers. You need to have the right Twitter followers.

On the other hand, that is, on the side of those who are on the platform to consume information, this way of working is very bad, as users choose to follow profiles because they are interested in the content that these profiles post. As the platform does not show everything to them, there is a bottleneck that is not being resolved.

Due to this limitation, I understand that platforms that provide higher organic reach can be more interesting. In that vein, I understand that Mastodon has all the potential to solve this. At Mastodon we have full organic reach (ie: your effective organic reach is equal to your potential reach). In other words, everything you post will be shown in the feed of those who follow you. This makes this platform truly what Elon Musk argues Twitter is: the public arena of discussion.

In terms of platform design and potential the Mastodon is a far superior platform. Instance administrators can work on content moderation and even handle the connection (or not) with other servers. This makes content-specific restrictions by type or profile operational. Anyway. It’s a dynamic that has really cool potential and I invite you to check it out. https://ursal.zone/@caiocgo

Categories
Digital

Tudo sobre tod@s

Já há algum tempo fiz a leitura do livro Tudo sobre tod@s, de autoria do prof. Sérgio Amadeu, como parte da preparação de uma conferência que acabei não proferindo (uma pena, aliás).

Recentemente recuperei esta leitura porque estou transformando o material que usaria na conferência em um artigo. Nesse sentido, decidi falar um pouco do livro aqui, como parte do processo de recuperação do assunto e, claro, para compartilhar e indicar a leitura.

Antes de qualquer coisa, devo dizer que o livro tem leitura bastante recomendada. O texto do professor Amadeu é bastante interessante. Elucidativo sobre as ameaças dos dispositivos que carregamos em nossos bolsos especialmente no que diz respeito às capacidades de -por meio deles- empresas descobrirem cada vez mais sobre nós e nossos hábitos.  

Há muitas reflexões bacanas sobre privacidade e o autor nos apresenta o tempo todo aos argumentos e contra-argumentos que envolvem a privacidade e propriedade dos dados. Penso tratar de uma boa referência sobre o tema escrita por um autor brasileiro.

Entretanto há que se considerar que, embora o texto apresente excelentes argumentos muito bem embasados e ótimas recomendações e referências, em outros momentos a redação informal e quase condescendente incomoda um pouco.

Outra coisa que me chamou a atenção – desta vez de maneira bastante positiva – foi a busca por referencial da área de gestão. Isso é bastante legal por parte do autor. Apesar disso, me surpreendeu que, mesmo com esta busca, o texto trate de criação de necessidades; algo que é bastante controverso. Mais fácil talvez seja formos em criação de desejos a partir de descobertas de tendências e culturas por meio de dispositivos de vigilância como os smartphones. Além disso a ideia de que as bolhas formadas em função da atuação de algoritmos nas plataformas seja algo pensado não me parece encontrar pleno respaldo.

De qualquer forma, acho que é um texto muito importante e necessário. Creio que será encarado como uma leitura básica e imprescindível sobre o assunto.

Categories
Digital

Retomando este espaço

Iniciando o ano e também retomando um antigo hábito: o de escrever mais aqui. Isso vai mudar. Por 3 motivos bem simples:

1 – Precisamos reocupar nossos sites pessoais e deixar as plataformas mediadas por algoritmos.
Estamos abandonando espaços válidos de presença online (sites pessoais e blogs) e adotando plataformas outras (Facebook, Twitter, Instagram, Medium) que não nos pertencem e que não permitem que nosso conteúdo chegue à totalidade de nossa audiência.

2 – As plataformas sociais fazem mais mal do que bem.
Esta pode ser novidade para você, mas é a minha mais recente motivação. E está baseada não só em meus achados de investigações sobre plataformas sociais. Some a esses achados de minha autoria os escritos por Jaron Lanier e Cal Newport. Ambos, em seus livros demonstram que as plataformas sociais fazem mais mal do que bem para a gente. O primeiro está preocupado na questão social enquanto o segundo, na produtividade.

3 – É divertido!
Escrever no meu próprio site e interagir com as pessoas aqui (por meio dos comentários e e-mail) é muito mais legal do que aquela chatice das plataformas. Aqui a coisa é mais legal (eu controlo o visual do que eu publico) e íntima.

Espero apenas manter o ritmo!

Categories
Digital

Não deixe decisões editoriais nas mãos de plataformas

Durante esta primeira semana de Setembro estive em Joinville para participar do 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom. Lá, um dos assuntos discutidos no GT de Comunicação Digital foi o de que veículos de comunicação acabam por buscar soluções prontas (plataformas sociais como o Facebook) para distribuir seu conteúdo.

O professor Andre Pase lembrou também, em uma discussão bem interessante, que até adotar plataformas outras (como Disqus ou o próprio Facebook) para comentários em seus sites representa esta ação de buscar uma solução pronta para tratar seu conteúdo. Esta solução pode parecer sedutora. Afinal são 2 bilhões de pessoas conectadas ao Facebook. Só que apenas uma parte bem pequena delas curte sua fan page e uma fração menor ainda efetivamente vê o que você posta.

Para piorar, as coisas que você posta em sua fan page podem ser apagadas pelo próprio Facebook quando ele (por meio de seus algoritmos) julga que aquele conteúdo não é apropriado.

Este exemplo relatado pelo Nieman Lab mostra exatamente isso.

Está passando da hora de percebermos (todos nós) que a web é, em sua essência, social. Não precisamos destas plataformas proprietárias e voltadas exclusivamente para uma operação lucrativa para atuarmos em rede, num contexto social.

Categories
UX

Más decisões de design impactam o faturamento

Ou: Como uma série de problemas de design impediram-me de fazer uma surpresa para minha mãe

Nesta semana estive na casa da minha mãe numa rápida visita na terça de tarde. Chegando lá, vi que havia inaugurado uma filial da Domino’s no bairro dela. Havia um folheto da filial na caixa de correio (a mídia offline ainda funciona, claro! 🙂 ). No folheto, um alerta para a promoção de “leve 2 e pague 1” na terça. Resolvi surpreender minha mãe e fazer um pedido de pizza para ela mais tarde.

Tentei pelo telefone. Infelizmente, a atendente da loja não entendeu que eu queria pagar as pizzas antecipadamente. De verdade. Eles não conseguiram me cobrar pelo telefone. O pagamento deveria ser feito na entrega. Somente na entrega. Ah, e outra coisa: Eu estava ligando por volta das 17:30. Não poderia deixar uma entrega agendada. Se eu liguei naquela hora, o pedido teria que sair da loja assim que ficasse pronto. Eles não podiam (ou não conseguiram) fazer o pedido naquela hora e preparar a pizza e entregar mais tarde. De fato, muitas informações, né?

Então. Fazer minha mãe pagar pela pizza na entrega seria um presente de grego e isso eu não queria.

Tentei de outra forma. Pus-me a instalar o app da Domino’s no meu celular. Te dizer que foi uma luta. O design da interação do aplicativo é muito fraco. Saltar de campos no formulário de cadastro é um suplício! Além disso, as minhas ações de toque no app ficavam sem resposta. Eu tocava nos botões e não tinha qualquer tipo de feedback. Um exemplo: no primeiro uso do app, somos incentivados a cadastrar endereços para entrega. Eu preenchia os dados e tocava em “cadastrar”. Como não tinha resposta, toquei repetidas vezes. Depois de desistir, fui ver meus dados e um mesmo endereço havia sido criado repetidas vezes.

Outro problema do aplicativo da Domino’s foi o pagamento. Fiz o processo de cadastro à duras penas e, depois, procedi com o pedido. Ao fazê-lo, fui levado a crer (com um botão para escolher a forma de pagamento) que poderia pagar pelo app. Ledo engano. O pedido é fechado sem que conseguisse fazer o pagamento pelo app.

Depois de incorrer neste erro, liguei para a loja para pedirem que incluíssem o pagamento no pedido. Assim, minha mãe não seria cobrada quando as pizzas chegarem em sua casa. Novamente, não foi possível. Tiveram que cancelar o pedido na loja.

Voltei ao app e cadastrei um cartão de crédito em minha conta. Refiz o processo. Sem sucesso. Na segunda vez que tive que ligar para a loja para cancelar o pedido e evitar que minha mãe fosse cobrada, a atendente disse: “por que você não faz o pedido pelo ifood?”

Pois é. A funcionária de uma marca pedindo para que eu não use o app desta marca, mas sim o app de outra empresa. Tudo isso porque, em algum momento, péssimas decisões de design foram tomadas.

Categories
Digital

Como errar na web: tire o controle das mãos dos usuários

Tirar o controle das mãos do usuário pode ser a pior coisa que você pode vir a fazer com seu produto web.

Na web, o consumo da informação é dado de forma autônoma, por excelência. Isso significa que o usuário consome a informação de maneira individual, com o controle do processo. Ele decide o que vai ver, ler, assistir ou ouvir.

No passado, muitos designers desrespeitavam esta lógica ao conceberem janelas em tela cheia removendo os controles do navegador. Numa promessa de experiência imersiva, acabavam por tirar o controle das mãos do usuário. Só que a web não é um quiosque de shopping e, ainda bem, não vemos mais este tipo de experiência por aí.

Só que outro tipo de iniciativa que tira o controle das mãos dos usuários começou a aparecer nos últimos anos e seu representante mor é o autoplay de vídeos em feeds do facebook ou como sequência de um vídeo do Youtube. O serviço “entende”que, se você assistiu um determinado vídeo até o final, certamente vai querer assistir alguns outros na sequência. Isso é terrível. Tira o controle do usuário no processo, empurra conteúdo que não necessariamente é do interesse dele e ainda mascara números de audiência.

Em alguns sites com conteúdo predominantemente textual isso também ocorre com certa frequência, o que é lamentável. Acabo de me deparar com o exemplo que gravei em vídeo e disponibilizo abaixo.

O TechCrunch te catapulta para a página inicial do site depois de ler uma notícia. Simplesmente ridículo. Ao terminar de ler uma matéria o site automaticamente sai da página em que você estava e vai para a página inicial. Perceba no vídeo que nem há a oportunidade de voltar e explorar mais o conteúdo; talvez ver comentários e postar alguma consideração. Péssimo exemplo.

Categories
Publicidade

A questão da extrema informalidade dos profissionais de Publicidade

Então. (ultimamente tenho começado muitas frases e até e-mails assim…)

Há um bom tempo tenho falado (às vezes sozinho, outras, acompanhado) que falta profissionalismo na publicidade. No digital, nem se fala. Mas, mesmo já abordando este tema há tempos, a questão persiste. Em sala de aula isso me afeta e incomoda quando alunos (publicitários em formação) deixam trabalhos para serem feitos na última hora, pedem adiamento de prazos e acabam entregando produtos que poderiam ter ficado muito mais bacanas se alguns cuidados básicos tivessem sido tomados. Profissionalmente vemos jobs sendo perdidos, pagamento abaixo do mercado e vários outros comportamentos que afetam negativamente a imagem dos publicitários…

Peraí, Caio. Você também já foi aluno! Pega leve…

Pois é. E também já procrastinei muito e entreguei muita coisa abaixo da crítica. Mas aprendi que se eu quisesse ser levado a sério, precisava me levar mais a sério. E é esse excesso de pedidos para “pegar leve” que configura um dos sintomas que quero tratar. Pode parecer papo de velho (e é), mas encarar-se com mais seriedade e também as nossas atividades com mais seriedade pode fazer toda diferença. Eu acho que o ambiente da universidade é um bom lugar para tentar corrigir este comportamento. Especialmente porque é, justamente depois que se forma, que o profissional começa a adotar algumas práticas que podem ser muito ruins para ele na sua atuação profissional.

Vamos começar com a questão da disciplina para executar trabalhos

Então. Como eu falei acima, é muito comum que os alunos entreguem trabalhos feitos na última hora. Costumo brincar que, se o trabalho é para ser entregue às 23:59, o aluno começa a fazer às 23:30. Isso depois de ter tentado um e-mail pedindo mudança de prazo às 23:15 e não ter obtido resposta até as 23:29. Brincadeiras à parte, a questão é que se entrega, normalmente, um texto ou uma peça que foi a primeira coisa que se conseguiu fazer. Ou seja: faz-se uma versão e boas. Está entendido que está pronto para entregar. Só que não é bem assim. Normalmente a primeira versão de uma coisa contém vários erros e está longe de ser a melhor versão daquilo. Escrever um texto ou conceber uma peça é uma atividade que demanda o exercício da criação. E este exercício não se dá num único sprint.  A atividade de fazer, dar um tempo, olhar outras coisas e retomar a atividade faz com que a gente tenha uma outra visão sobre aquilo que fez. Além disso, proporciona um distanciamento que nos ajuda a encontrar erros.

Pois bem, mas como fazer isso, Caio?

A primeira coisa é não deixar para fazer na última hora. Comece a fazer a tarefa (pode ser a criação de um layout, a redação de um texto, enfim… qualquer coisa) com antecedência. Pense e planeje-se de forma a poder trabalhar por mais tempo naquela tarefa. Vai por mim. Se você começar a fazer qualquer atividade no momento em que ela foi designada a você, dificilmente você precisará ficar atravessando madrugadas fazendo algo perto do fim do prazo. E atravessar madrugadas é algo que muitos profissionais da publicidade se vangloriam de ter que fazer. E eu tenho verdadeira raiva deste comportamento. Ninguém precisa trabalhar até de madrugada se planejar bem aquilo que tem para fazer. Me dá especial raiva porque eu já deixei isso me atrapalhar muito. Se você planeja bem a execução de um trabalho, menos horas extras serão necessárias e menos madrugadas serão comprometidas. Além disso, você terá tempo para rever o que fez e melhorar os produtos que está criando. E isso vai ser muito bom para a qualidade final daquilo que estiver fazendo.

Outra coisa: dê-se o valor

É muito comum esse lance de fazermos as coisas de última hora, porque não nos deram prazos bacanas para executar a tarefa. Quando for este o caso, um sinal de que você está dando valor a si mesmo é não aceitar fazer naquele prazo tão pequeno. É comum os profissionais aceitarem fazer isso porque não querem “perder o cliente”. Só que, ao fazer algo com tão pouco prazo, a qualidade final vai ser péssima e você vai perder o cliente da mesma forma, só que, desta vez, porque o trabalho ficou ruim. E aí, a culpa não vai ser do prazo (afinal, você aceitou fazer), sacou? A culpa vai ser sua.

Aceitar fazer uma coisa num prazo desumano é não se dar o valor. É não se respeitar. Outra coisa que entra no montante da falta de respeito é aceitar fazer reuniões fora do expediente (porque esta é a hora que o cliente pode te receber). Uma coisa que eu aprendi num dos melhores lugares que trabalhei foi: se o cliente não quer te receber durante o expediente, é porque ele não acha que comunicação é uma coisa importante pra ele. Esse já é um sinal de que ele não vai te respeitar e nem respeitar o seu trabalho. Faz parte deste bolo do respeito a si mesmo e ao seu trabalho também parar de participar de “concorrências”.

Na comunicação isso é muito comum. E é péssimo para os profissionais. Empresas chamam três ou cinco profissionais ou agências e pedem que executem algo para, só depois, escolher o que acharam melhor. Estas “concorrências” (as aspas servem para indicar que são falsas concorrências, sem critérios claros e nem sombra do que lembraria um edital) são muito ruins para o negócio da comunicação, porque acabamos trabalhando de graça (outro sinal claro de que não nos damos valor como profissionais é quando nos deixamos ser enganados assim).

Não há problema nenhum em trabalhar de graça, desde que seja por vontade própria (por exemplo, se você quer fazer a comunicação de uma ONG sem cobrar nada). O que é péssimo é a agência ou profissional se deixar levar fazendo isso corriqueiramente.

Pense como seria isso em outras profissões. Você, por acaso, vai ao dentista e, na consulta, fala que também vai a outros dois profissionais e, só vai pagar pelo serviço de quem “achar que é o melhor profissional”? Claro que não, né? O dentista não oferece consulta gratuita e muito menos o médico. O arquiteto não faz projeto “no risco” e o engenheiro também não. Mas porque os publicitários fazem coisas assim? Eu arrisco dizer que é porque eles não se levam a sério e não se dão o valor.

Por fim, um último comportamento que me dá nos nervos e que é um sintoma desta desvalorização é o fato de apresentar três versões de uma peça pro cliente escolher. Acho isso o fim da picada. Nada errado em fazer três versões e até levar para a apresentação para ter algo na manga caso a apresentação daquela peça que você achou a mais apropriada, der errado. Mas já mostrar de cara três versões (de uma marca, por exemplo) para o cliente escolher é, pra mim, um atestado de incompetência.

É algo como dizer “toma, olha essas três opções e me diga qual a que mais gostou, porque nem pra isso eu sirvo”. Para me ajudar a explicar, novamente faço comparação com o trabalho do médico. O médico mostra três versões do diagnóstico para a gente escolher qual é o melhor? Não, né? O que ele oferece, quando é possível, são opções para o tratamento. Mas ele não as apresenta de cara pra que façamos uma escolha. Ele mostra aquela que julga ser a mais adequada e, depois, se for possível, fala que existem alternativas e, cada uma delas tem seu ponto positivo e ponto negativo.

Todas as vezes que me vi nesta situação com um médico, ele me disse que a primeira opção tinha uma justificativa bem plausível. E me apresentava o embasamento para aquela escolha. Acontece que em mais de 90% dos casos os publicitários não tem o embasamento para justificar sua escolha e recomendação. É tudo baseado no achismo e no gosto pessoal. Daí, o cliente acaba achando que se é algo baseado no gosto pessoal, ele , por ser dono do negócio, entende mais e tem o “gosto mais apurado”. Aí, meu amigo, ferrou.

Quando chega a esse ponto, o publicitário ou a agência vira apenas manobrista de layout; aumentando a marca e “chegando o texto mais para a direita”. O fato é que, na maioria esmagadora das vezes, o publicitário não sabe argumentar como aquilo que ele fez vai resolver o problema do cliente.

O publicitário acha que defender um conceito é uma questão de “lábia”. Isso porque ele não sabe. Porque ele não fez pesquisa. Por que a sua proposta não tem substância. Aí, acha que tudo é na base do “Rolando Lero”. E sabe por qual motivo que o publicitário não tem argumento ou substância para defender sua escolha? Acertou, porque ele começou a fazer aquela peça meia hora antes de apresentar pro cliente. Aí, não deu tempo de fazer pesquisa (te dizer que faz muito tempo que vi uma proposta de ação de publicidade efetivamente baseada em pesquisa). Não deu tempo de embasar as escolhas. Não deu tempo de nada. Depois, claro, não dá pra reclamar. E voltamos a questão inicial.

O meu ponto é: enquanto isso persistir, publicitário vai ser tratado do jeito que é. E eu acho que a origem destes problemas é justamente porque ele não se respeita e não faz as coisas com seriedade. Claro. Tem aqueles que preferem trabalhar de madrugada e também os gênios que fazem uma versão perfeita logo na primeira tentativa. Mas estes são pontos fora da curva.

O normal mesmo é termos o comportamento que mina o sucesso da atividade. É a participação em “concorrências” e o trabalho executado sem pesquisa, feito de forma tocada, na última hora. Enquanto estes comportamentos forem tratados como a normalidade, também os publicitários e as agências continuarão sendo tratados como são. Talvez isso não seja uma causa direta, mas minha leitura é a de que, de certa forma, interfere, sim, no jeito que as pessoas externas à profissão lêem os publicitários.

Enfim… Essa é a minha questão, na verdade a minha preguiça, com essa extrema informalidade dos publicitários.

Categories
Digital

Dica de leitura: Introdução à Análise de Redes Sociais Online

Em dezembro de 2017 tive contato com a publicação “Introdução à Análise de Redes Sociais Online”, escrito pela pesquisadora Raquel Recuero e disponibilizado gratuitamente pela EDUFBA (http://www. lab404. ufba. br/?p=3223).

Trata-se de iniciativa bem interessante e necessária. Como sabemos, o tópico da Análise de Redes Sociais (ARS) ainda é muito pouco explorado no país; em especial na Comunicação. Há muito o que fazer e estudar. Muita coisa por descobrir e explorar.

É justamente nesse sentido que se faz a recomendação da leitura. Tendo em vista que o objetivo da autora é apresentar o tema e métodos possíveis de investigação, creio ser interessante para se familiarizar com o tema. Nas palavras da autora:

“O que é relevante aqui é perceber que a ARS existe dentro do arcabouço de métodos possíveis para que pesquisadores das áreas que tradicionalmente não trabalham de modo tão empírico e com tantos dados (como é o caso da Comunicação) possam se munir de modos de análise e compreender elementos mais amplos em seus dados. Nosso objetivo, portanto, é ampliar a compreensão desses modos e permitir que a ARS seja mais popularizada entre os pesquisadores, de modo especial, entre aqueles que trabalham com dados provenientes do ciberespaço. ”

O livro tem leitura bastante fácil e é bem direto ao assunto, apresentando a origem das informações e indicando caminhos.

Tenho apenas duas ressalvas com relação ao texto. Tecnicalidades que não atrapalham o objetivo da autora e muito menos o entendimento do assunto.

A primeira delas é com relação ao conceito de buraco ou lacuna estrutural (structural hole). Embora Recuero (2017) cite bem acertadamente Burt para fundamentar o conceito, creio que vale observar que este mesmo autor apresenta o conceito de lacuna estrutural (Burt, 1995) como sendo a posição de um ator que é a única ligação entre diferentes grupos. Nesse sentido, se este ator se ausenta, há a criação da lacuna (ou buraco). Tratei deste assunto na ocasião em que procedi com o mapeamento da rede de pesquisadores em Administração no país (Oliveira, 2013). Na ocasião apresentei o conceito a partir de Burt (1995) com a ligação a Coleman (1988) da seguinte forma:

“Ao compreender o capital social como um recurso da rede buscado pelos atores e, portanto, motivador de suas ações, deve-se entender também que a posição ocupada na rede lhes proporciona capital social. Assim sendo, é possível enxergar que determinado ator que está posicionado na estrutura como a única ligação entre dois grupos que compartilham interesses ocupa um espaço conceitual de destaque, pois é ele quem controla o acesso a recursos por parte dos dois grupos. A esse ator atribui-se o título de lacuna estrutural (Burt, 1995).

Ocupar uma posição de lacuna estrutural na estrutura da rede não é o único ganho ou recurso proporcionado a determinado ator. Reputação, controle de informação, confiança e cooperação são também recursos ou ganhos que se pode obter a partir de suas relações e posicionamentos na rede (Coleman, 1988). ”

A segunda questão é ainda mais sutil e refere-se a questão das redes de dois modos. Como meu trabalho de mapeamento da rede de pesquisadores em Administração no Brasil tratou disso, entendo que as redes de dois modos são um pouco diferentes daquilo que é apresentado no livro. Recomendo a leitura desta postagem do Tore Opsahl (https://toreopsahl. com/tnet/two-mode-networks/defining-two-mode-networks/) para mais detalhes sobre as redes de dois modos (o autor, inclusive, exemplifica as redes de colaboração científica como redes de dois modos, como fiz. Tanto ele quanto eu usamos Newman (2001), Wasserman e Faust (1994), dentre outros, para embasamento.

Como disse, estas diferenças no modo de enxergar o que é uma lacuna estrutural e uma rede de dois modos não atrapalham e nem desabonam o texto. A leitura do livro é bastante recomendada. Fica aí uma dica bem interessante para quem quer, rápida e objetivamente, se introduzir ao tema da Análise de Redes Sociais.

Referências:

Burt, R. (1995). Structural holes: The social structure of competition. Harvard University Press.

Coleman, J. (1988). Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, 94

Newman, M. E. J. (2001). Scientific collaboration networks. II. Shortest paths, weighted networks, and centrality. Physical Review E 64, 016132.

Oliveira, C. C. (2013). Coopetição em redes interpessoais: relacionamentos coopetitivos na rede de pesquisadores brasileiros em Administração. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Recuero, R. (2017). Introdução à análise de redes sociais online. EDUFBA, Salvador, BA, Brasil.

Wasserman, S. , Faust, K. (1994). Social Network Analysis: Methods and Applications. Cambridge University Press, New York, NY.

Categories
Digital

Qual é o seu presente para a web no dia de hoje?

Hoje, dia 12 de março de 2018, a WEB faz 29 anos. E ela está ameaçada.

A web é um instrumento, um dispositivo, um aparato, um ambiente em que nós, os usuários (se preferir, os “nós” da rede), podemos ter o poder. Podemos, como Licklider e Taylor (1968) e vários outros depois deles pensaram: a capacidade de participar ativamente do processo comunicacional. A web representa o que Negroponte chamou de deslocamento do poder do transmissor para o receptor. A gente monta nossa própria programação e consome o que quer, quando quer e do jeito que quer.

Acontece que, a necessidade de certo domínio de um conjunto de técnicas (Lévy, 2010), acabou por levar-nos a uma posição de dependência de plataformas controladas por entidades – as plataformas sociais como Twitter e Facebook – cujo modelo de negócios e funcionamento se assemelha enormemente com o que conhecemos na mídia de massa. Sua necessidade de obter lucro por meio de publicidade subverte a ideia de poder nas mãos das pessoas e desvirtua o que se pensava anteriormente como a web sendo o espaço onde todos poderíamos ter voz. Nestas plataformas, a lógica é a mesma da mídia de massa: é necessário ter o poder financeiro para fazer sua mensagem chegar às pessoas.

Só que a web não é isso. A web é um território livre.

Que tal darmos de presente para ela e, consequentemente, nós mesmos (já que a web somos nós) um passo adiante para a retomada do poder que a web nos proporcionou e que, voluntariamente, temos aberto mão nos últimos anos? É isso que (no link lá do começo) o inventor da web, Tim Berners-Lee fala sobre fazer a web trabalhar para as pessoas. Trata-se de uma retomada do poder que, voluntariamente, entregamos para corporações cujos interesses se distanciam enormemente dos nossos. Precisamos exercer mais a autocomunicação.

O poder da comunicação e da autocomunicação bem conceitualizado por Castells (2010) conceitualizou, permite que nós, indivíduos utilizemos da rede para nos organizar e constituir um novo poder que pode contrapor às instituições vigentes. Aqui refiro-me especialmente ao poder da mídia de massa que visa homogeneizar o que não é possível de homogeneizar (a sociedade).

Por isso insisto, que tal a gente dar para a web o presente que ela (nós) merece (merecemos)? Vamos retomar o poder. Vamos voltar a escrever em nossos próprios sites ao invés de usarmos plataformas outras que não nos pertencem e cujas decisões de alcance dependem do quanto os executivos podem ganhar em cima da nossas produções!

Vamos adotar a ideia de construirmos novas conexões entre ideias de forma mais orgânica e menos dependente dos algoritmos. Eles são interessantes, mas não devem ditar nossos comportamentos e intermediar plenamente nossas relações e as ligações entre nossas ideias.

Que tal a gente presentear a web com a ação de retornarmos a autoria do grande hipertexto que a compõe?

REFERÊNCIAS

Castells, M. (2013). Communication power. OUP Oxford.

Lévy, Pierre. (2010). Cibercultura. Editora 34.

Licklider, J. C. , & Taylor, R. W. (1968). The computer as a communication device. Science and technology, 76(2), 1-3.

Negroponte, N. (1995). being digital. Alfred A. Knorpf: New York.

EXTRAhttp://tantek. com/2018/037/t1/posse-indieweb-twitter-facebookhttps://webfoundation. org/2018/03/web-birthday-29/