Desde 1992, quando ganhei um MSX Expert DD Plus (uau, tinha drive de disquete de 3 e ½!) de meu pai, que comprou na Mesbla (putz, estou velho mesmo), a minha relação com computadores é repleta de encontros e despedidas. Quando fui apresentado ao Windows em 1995, despedi-me do MSX. Depois, em 2004 comecei a flertar com o Linux e este foi meu sistema operacional principal por anos. foi durante este período que me apresentaram o VirtualBox (acho que comecei a usar porque o sistema de internet banking do finado Banco Real não funcionava fora do Windows).Desde então venho indo e voltando com o uso deste software.

Em 2016 voltei a usar o Windows como sistema principal. Eu havia passado por uma situação muito chata de quase ter colocado fogo no meu carro porque o diacho do Ubuntu não hibernou quando eu fechei a tampa do laptop e coloquei um computador que superaqueceu no porta-malas do carro. Enfim… Isso é papo para outro post quando eu tiver paciência. Disse um adeus para o VirtualBox. Minha intenção era migrar totalmente para os sistemas da Microsoft. Decidi assinar o Office 365 e OneDrive (começava o meu degoogle – ensejo para mais um outro post). Até abandonei o Android e decidi usar um Windows Phone (pasmem). Só que a coisa não durou meses (óbvio, né? Mas novamente papo para outro post).

Naquele mesmo ano, resolvi migrar outra vez de sistema de maneira radical e comprei um iphone e um macbook air. Eu os uso até hoje, atualizadinhos e não me dando qualquer trabalho. Com a migração para o sistema da Apple, algumas coisas permaneceram operando no Windows e o VirtualBox novamente se fez necessário.

Com o início do Regime remoto, o VirtualBox passou a servir também como o lugar onde eu acessava a VPN da Universidade. Isso até eu descobrir que o Remote Desktop da Microsoft funcionava de maneira mais bacana. Há coisa de uns dois meses vi que estava usando o VirtualBox apenas para emitir notas fiscais de minha empresa (eu ainda presto consultorias, sabe? ;-)). Resolvi tentar usar os certificados no Mac de forma nativa e hoje não mais precisei fazer a inicialização da máquina virtual para emitir nota. Tudo transcorreu de maneira bem suave.

Dessa forma, a minha característica de impulsividade se manifestou e já tratei de desinstalar o VirtualBox. Não se mostra mais necessário.

Foi bom enquanto durou. Quem sabe um dia a gente se encontra novamente. Por enquanto, não mais.